Todas as cartas de amor são ridículas

 

 Todas as cartas de amor são 
  Ridículas. 
  Não seriam cartas de amor se não fossem 
  Ridículas.

  Também escrevi em meu tempo cartas de amor,  
  Como as outras, 
  Ridículas.

  As cartas de amor, se há amor,  
  Têm de ser 
   Ridículas.

   Mas, afinal, 
   Só as criaturas que nunca escreveram  
   Cartas de amor  
   É que são 
   Ridículas.

   Quem me dera no tempo em que escrevia  
   Sem dar por isso 
   Cartas de amor 
   Ridículas.

   A verdade é que hoje  
   As minhas memórias  
   Dessas cartas de amor  
   É que são 
   Ridículas.

   (Todas as palavras esdrúxulas, 
    Como os sentimentos esdrúxulos, 
    São naturalmente 
    Ridículas.)

Álvaro de Campos

Sobre anaylop

Sou um instantâneo das coisas apanhadas em delito de paixão a raiz quadrada da flor que espalmais em apertos de mão. ... Sou uma impudência a mesa posta de um verso onde o possa escrever "A defesa de um poeta" N. Correia
Esse post foi publicado em Poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s