Jamelão



 


Como a Lua pondo-se na noite


Dando lugar ao sol


em um vai-e-vem constante


Assim crescemos , sem que muita gente percebesse


mas, a meu parecer


ainda mais aquele dia


A nosssa conversa pareceu-me a mesma


falavámos de nossa casa da árvora


que sempre caía após a briga entre meninas e meninos


sócios


sobre os livros que mais gostávamos


e nossas frases preferidas


ao qual acabavam transcritas


em agendas, cadernos e  em cartas para ninguém


 


Era dezembro


Como outro qualquer


o dia, não me lembro


coisa boba é prender-se em detalhes do tempo


quando temos um momento para aproveitá-lo


e assim, sem detalhe, sem fescura, sem muita bravura


continuamos ali, nas nossas lembranças


nas nossas recordações


 


De como éramos iguais


em genero, número, grau, piercing e anseio


Foi assim, em meio a nossas lembranças,


que trouxemos de volta


a saudosa frutinha de nossa infancia


ninguém  sabia seu nome


pra quê ? que detalhe de um nome


Quando o bom mesmo era subir na árvore


fazer guerra  de fruta


tingir   a roupa de rouxa


a língua de azul


 


Foi em uma dezembro


não me lembro o dia , muito menos a hora


lembro que descobrimos o nome


e revimos a árvore


As lembranças sumiram


Junto com nossa Tarsila contornada


com Polyana conformada


e a rainha Ester determinada


Havia apenas a nossa árvore,


nossa fruta especial


E de repente  cresceu o que faltava em nós


tudo virou sorriso


E voltamos a ter oito anos.


                                

*Tamy Silva

PS*
Devo compartilhar a resposta que a Tamy deu a um aluno dela que
perguntou se essa Polyana que ela citou, era amiga de infância. Ela
respondeu o seguinte: "é engraçado como realmente  tem amigo de
infancia que a gente só encontra depois que já é gente grande.".
Concordo!

Sobre anaylop

Sou um instantâneo das coisas apanhadas em delito de paixão a raiz quadrada da flor que espalmais em apertos de mão. ... Sou uma impudência a mesa posta de um verso onde o possa escrever "A defesa de um poeta" N. Correia
Esse post foi publicado em Poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s