Senhas

Eu não gosto do bom gosto

Eu não gosto de bom senso


Eu não gosto dos bons modos


Não gosto




Eu aguento até rigores


Eu não tenho pena dos traídos


Eu hospedo infratores e banidos


Eu respeito conveniências


Eu não ligo pra conchavos


Eu suporto aparências


Eu não gosto de maus tratos




Mas o que eu não gosto é do bom gosto


Eu não gosto de bom senso


Eu não gosto dos bons modos


Não gosto




Eu aguento até os modernos


E seus segundos cadernos


Eu aguento até os caretas


E suas verdades perfeitas




O que eu não gosto é do bom gosto


Eu não gosto de bom senso


Eu não gosto dos bons modos


Não gosto




Eu aguento até os estetas


Eu não julgo competência


Eu não ligo pra etiqueta


Eu aplaudo rebeldias


Eu respeito tiranias


E compreendo piedades


Eu não condeno mentiras


Eu não condeno vaidades




O que eu não gosto é do bom gosto


Eu não gosto de bom senso


Não, não gosto dos bons modos


Não gosto




Eu gosto dos que têm fome


Dos que morrem de vontade


Dos que secam de desejo


Dos que ardem


Adriana Calcanhoto

Sobre anaylop

Sou um instantâneo das coisas apanhadas em delito de paixão a raiz quadrada da flor que espalmais em apertos de mão. ... Sou uma impudência a mesa posta de um verso onde o possa escrever "A defesa de um poeta" N. Correia
Esse post foi publicado em Música. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s