Para um quase amigo

Para trás!

Sou pedra.
…….Você tem de rasgar sua carne para escavar meu peito.

Sou tempestade.
…….Ninguém relaxa comigo.

Sou montanha.
…….Moureje até o topo, e vire um solitário.

Sou gelo.
…….Você tem que congelar para que eu derreta.

Sou mar.
…….Não vou devolver você.

Se isto o assusta,
Para trás! Para trás!

Ainda que, se você for meu amigo,
Não lhe serei nada disso.

Laura Riding

Tradução: Rodrigo Garcia Lopes

 

Sobre anaylop

Sou um instantâneo das coisas apanhadas em delito de paixão a raiz quadrada da flor que espalmais em apertos de mão. ... Sou uma impudência a mesa posta de um verso onde o possa escrever "A defesa de um poeta" N. Correia
Esse post foi publicado em Poesia. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Para um quase amigo

  1. Patrícia disse:

    um QUASE amigo… Isso te assusta?

  2. Polyana disse:

    kkkk…Sim, assusta. Mas o susto é tamanho que resolvi colocar isso aqui… Descobri essa tal de Laura Riding esses dias e curti os poemas dela…

  3. Patrícia disse:

    ela é de q lugar desse planeta???Acho q meu subconsciente ficou com esse poema na cabeça, pq sonhei com amigos (mas nenhum que eu conheça na vida real) o tempo todo. Acho q no fundo, quase todos tiveram um QUASE amigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s