Insanidade Pontual

 

Insanidade pontual

 

Nada que eu falar, nenhum dos meus lamentos

vai mudar a atual realidade

O que está feito, está feito

o que está morto, enterrado está

Eu, cantei minha dor aos sete ventos

me desesperei e quase perdi a sanidade

este amor vou sufocar em meu peito

e lá este dragão definhará

Tantos sóis eu vi ascender

do horizonte pela minha janela

quantas noites não pude dormir

quantos sonhos eu sonhei

E com minha voz rouca

gritava quase insandecido

Maldições, ao dia em que me apaixonei.

 

Rômulo Maciel de Moraes Filho

Anúncios

Sobre anaylop

Sou um instantâneo das coisas apanhadas em delito de paixão a raiz quadrada da flor que espalmais em apertos de mão. ... Sou uma impudência a mesa posta de um verso onde o possa escrever "A defesa de um poeta" N. Correia
Esse post foi publicado em Poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s